Artigos

Mundo da Óptica: Estética e Moda - Curvaturas

O uso de lentes oftálmicas é geralmente considerado uma necessidade ou uma obrigação, e muito raramente aceite com prazer. Para tornar as lentes mais atrativas, concentramos também a nossa atenção na estética. Por outro lado, a evolução das armações e as tendências da moda geram naturalmente uma procura de evolução das lentes. Isto verifica-se muito especialmente no domínio das lentes corretoras solares, pois os portadores tentam aliar correção óptica e moda: o equipamento óptico torna-se também um acessório de moda. Assim, atualmente, os dados estéticos são parte integrante da concepção das lentes. Damos particular atenção a três características: curvatura das lentes, colorações e reflexos. Neste artigo vamos abordar a característica da curvatura das lentes.

A. Curvaturas

Em relação à curvatura das lentes, existem duas tendências: uma procura geral de lentes planas, mais discretas e, por outro lado, uma procura de lentes muito curvas, mais envolventes. Estas duas tendências resumen-se numa única exigência: adaptação da curvatura das lentes à das armações. A procura de lentes planas relaciona-se essencialmente com a correção óptica, e a de lentes curvas deve-se a questões estéticas, necessidade de proteção e exigências da prática esportiva.

Curvatura das lentes e qualidade óptica

A curvatura das lentes oftálmicas é uma exigência estética, mas também uma interessante questão óptica. Recorde-se que a potência corretora de uma lente oftálmica resulta-se da adição (algébrica) da potência positiva da face convexa e da potência negativa da face côncava, e que existe uma combinação ótima das curvaturas das duas faces, que permite reduzir as aberrações ópticas. Fora desta combinação, surgem aberrações ópticas - de deficiência de potência e de astigmatismo dos feixes oblíquos - que podem alterar significativamente a visão do portador, quando o olhar é descentrado. É neste ponto que a asferização das superfícies é muito útil: permite modificar a curvatura da lente sem alteração da qualidade óptica, por compensação na(s) superfície(s) da lente da deficiência óptica que o olho percepcionaria. A asferização tem sido essencialmente utilizada para tornar as lentes mais planas, logo mais finas, mas note-se que a sua utilização se impõe igualmente, pelas mesmas razões, no caso das lentes curvas. 

O artigo completo encontra-se na fonte deste artigo.

Fonte: Cadernos de Óptica Oftálmica - Materiais e Tratamentos - Varilux University

 

 

Imprimir Email